Por mais alguns dólares?

26 março 2020

Clouds | sun | sunrise | sunset | lake
Monthly House View de abril de 2020 da Indosuez - faça o download de um trecho aqui

A maioria dos investidores está coçando a cabeça ao contemplar a magnitude da correção do mercado acionário que ocorreu em apenas quatro semanas: uma queda vertical de tirar o fôlego de 40% nas ações europeias, sincronizada com a aceleração de novos casos de COVID-19 no Velho Continente, além de uma imensa reprecificação da maioria dos ativos no mundo inteiro.

O que também surpreende os alocadores de ativos é ver que portos seguros não atuam mais como amortecedores nas carteiras.

Será que essa correção é excessiva? Há alguma racionalidade por trás disso? Por que o ouro deveria começar a perder seu brilho em um mercado em baixa com um retorno da política de taxa de juros zero (ZIRP) do Fed? Por que os mercados não reagem positivamente às decisões do Fed de cortes significativos nas taxas de juros?

A resposta óbvia é que os mercados estão precificando um cenário econômico mais severo e perturbações significativas nos lucros: trata-se de uma chamada para a realidade global sobre crescimento e riscos, apesar de algum excesso devido ao medo contagiante. Nesse contexto, as medidas de apoio significativas, tanto monetário quanto fiscal, não conseguiram acalmar os mercados.

A segunda resposta pode ser encontrada no posicionamento e na alavancagem dos investidores, que geralmente exacerba a volatilidade. Nos últimos anos, os bancos centrais comprimiram as curvas de rendimento e empurraram os investidores para fora de sua zona de caça natural, levando-os a buscar rendimentos em novos territórios com mais risco e menos liquidez. Isso conduziu a uma redução significativa dos spreads de crédito, enquanto taxas de juros mais baixas justificam maior equilíbrio preço/lucro nos mercados de ações. Além disso, o dinheiro fácil incentivou a democratização da alavancagem como modo de vida padrão do investidor, com base na infinidade do afrouxamento quantitativo (QE) e na crença de que economias menos cíclicas deveriam significar mercados menos cíclicos. Agora, tudo isso está sendo literalmente desintegrado por uma pandemia com efeitos macroeconômicos abrangentes.

Após um terrível dezembro de 2018 e uma recuperação em alta em 2019, o ano de 2020 não estava começando com grandes esperanças de desempenho, mas se beneficiava de um ambiente relativamente calmo, que incentivou os investidores a se empenharem por mais alguns dólares. Essa pandemia parece ser o catalisador da reversão do carry trade e é um choque de realidade para a maioria dos investidores. Vem testar nossos nervos e nossa capacidade de assumir riscos para lidar com uma volatilidade sem precedentes e uma nova forma de incerteza; é um teste de realidade sobre a sustentabilidade das estratégias de investimento baseadas no acúmulo de prêmios de risco alavancados. Isso nos lembra que a alavancagem não apenas aumenta o risco, mas também reduz o horizonte temporal dos investidores, e afeta sua psicologia.

Há muita racionalidade na correção, considerando os efeitos macroeconômicos negativos de medidas preventivas e do pessimismo psicológico, além do impacto subsequente nos lucros corporativos e na taxa de inadimplência. Mas a magnitude e rapidez dessa correção provavelmente são explicadas pela anulação desse acúmulo de estratégias alavancadas, e essa anulação provavelmente se acelera quando a volatilidade e os retornos negativos se tornam insuportáveis. Isso é chamado de "momento Minsky". Essa reversão também pode explicar por que não apenas ações e títulos corporativos estão perdendo terreno, mas também portos seguros. Portanto, nem tudo é culpa do COVID-19. Certamente há alguma extrapolação nessa correção, e o coquetel explosivo de medo do vírus e prejuízos pode apenas amplificar esse fenômeno antes que os mercados se recuperem e encontrem um novo equilíbrio.

Se essa pandemia atingir o pico nos próximos meses, e se a reversão não criar efeitos mais permanentes sobre empresas e bancos, provavelmente não estamos longe desse ponto de estabilização.A história nos ensina que a maioria das correções de mercado ocorre em algumas semanas, seguidas de alguns meses de volatilidade e, na sequência, uma forte recuperação. Também podemos esperar que o anúncio do Banco Central Europeu (BCE) de um programa de compras emergencial no total de 750 bilhões de euros ajude a ancorar previsões, aliviar os spreads soberanos e estabilizar a curva.

 

Monthly House View de 25.03.2020 da Indosuez, excerto do Editorial

26 março 2020

Para ler também

compass

Rumo a uma mudança de regime? O que esperar após a pandemia?

plant | wind

Realidade de recuperação ou ilusão monetária? Mercados demasiado otimistas?

plant | wind

As maiores economias tentam relaxar as medidas de lockdown