“O futuro não é mais incerto do que o presente”

Walt Whitman

25 setembro 2020

Monthly House View de outubro de 2020 da Indosuez - download aqui

As expectativas de consumidores e empresas são o melhor guia para o crescimento futuro como os economistas frequentemente estabelecem?

O ano de 2020 é tão incomum que os indicadores tradicionalmente usados pelos estrategistas e alocadores para medir a dinâmica da economia correm o risco de emitir sinais muito desorientados, obscurecidos pelos efeitos de base e pela psicologia. Depois de pesquisas macro surpreendentes em julho, atingindo o alto nível do ciclo de 2017/2018, os índices de gerentes de compras retornaram a níveis mais neutros em agosto, o que poderia nos levar a revisar para baixo as nossas expectativas de recuperação para o terceiro trimestre. O Banco da França acaba de enviar uma mensagem diferente e revisou sua estimativa de crescimento no terceiro trimestre para cima, situando-a em 16%. De certa forma, os cautelosos estão se animando, enquanto os mais otimistas parecem estar perdendo um pouco o ânimo.

Nesse contexto pouco usual, novos indicadores com base em inteligência artificial estão sendo desenvolvidos, como os rastreadores de mobilidade, e sugerem que a Europa retornaria aos níveis de fevereiro. É difícil tirar conclusões a partir desses indicadores, mas, em nível global, dados conflituosos e confusos em geral favoreceriam a volatilidade das expectativas de inflação e moedas e mais ruído antes das reuniões dos bancos centrais.

Foi, de certo modo, o que aconteceu nos últimos dois meses, com alguma dinâmica na normalização da inflação potencial estimulando a inclinação da curva de juros nos EUA e na Europa. Esse momento não durou muito, pois, em agosto, a inflação na zona do euro entrou em território negativo e o Banco Central Europeu (BCE) destacou que a pressão deflacionária derivou de um euro forte.

A aceleração da mudança tecnológica era mais previsível. Em um cenário de crescimento baixo, com muitos setores enfrentando incertezas significativas, empresas que se beneficiam de fatores de crescimento estrutural endógenos ganham um prêmio de valorização. No entanto, há algo poderoso por trás dos preços das ações. Pode ser que estejamos testemunhando uma das mais importantes transferências de valor das últimas décadas. Depois de uma transferência de valor significativa para os produtores de petróleo na década de 1970, as empresas de telecomunicações na década de 1990 ou os bancos nos anos 2000, o ciclo estrutural da tecnologia acelera e captura uma proporção maior dos rendimentos do índice S&P, não somente a valorização. Não se trata somente de uma história do mercado, mas também de uma reflexão sobre o nosso cotidiano, que se torna mais e mais digital – gostemos disso ou não. No entanto, isso não deve ocorrer a qualquer preço, e a recente correção técnica é um ajuste saudável.

Este período de aceleração também representa uma oportunidade para mudar as regras básicas. Nos EUA, para evitar qualquer debate sobre a relevância da política de juro zero em uma economia em recuperação com uma taxa de inflação que pode superar o limite de 2% em 2021, Jerome Powell basicamente mudou as regras do jogo e adotou uma meta de inflação média, uma ideia que já estava presente na visão de Janet Yellen, mas nunca chegou a ser formalizada.

Uma coisa é certa: a história nos diz que crises em geral são tempos de mudança das lideranças nacionais e setoriais. Em suma, a miopia em relação à inflação, à volatilidade ou à análise técnica dos índices é a melhor maneira de perder de vista transformações de longo prazo do capitalismo: as revoluções industriais.

 

Important information

Monthly House View de 17.09.2020 da Indosuez, excerto do Editorial

25 setembro 2020

Para ler também

Vincent Manuel | Indosuez | Podcast

Podcast by Vincent Manuel, Indosuez CIO

Papai Noel vai chegar mais cedo em 2020?

A COVID-19, o Presidente e os mercados