2021: Retorno à normalidade?

23 dezembro 2020

Monthly House View de janeiro de 2021 da Indosuez - download aqui

"A ciência não tem pátria" Louis Pasteur

No momento de fechamento de 2020, um ano de todos os extremos (pandemia sem precedentes, recessões recordes, respostas de política econômica nunca antes vistas, recuperações espetaculares nos mercados de ações), podemos nos perguntar o que nos espera. Haverá um retorno a algum tipo de normalidade em 2021?

Do ponto de vista político e sanitário, não há dúvida: um novo presidente nos Estados Unidos, com um retorno a uma retórica mais convencional e a relações mais clássicas entre as nações, com a esperança de que as campanhas de vacinação acabem com a sucessão de fases de confinamento e desconfinamento. A corrida contra a pandemia terá trazido vacinas ao mercado em tempo recorde.

As tendências sociais contam histórias diferentes, e é surpreendente ver como as duas ondas de lockdown em 2020 deram lugar a reações diametralmente opostas. O lockdown do primeiro semestre materializou uma brecha em nosso cotidiano e deu origem à ideia um tanto ingênua de um "novo mundo" (menos consumismo, mais foco na saúde e respeito ao meio ambiente). Por outro lado, o confinamento do segundo semestre mostrou o quanto as pessoas queriam mais do que nunca um retorno ao mundo antes simbolizado por aspirações simples, como: viajar de novo, sair, confraternizar e ir às compras. A ideia de que nossas vidas se tornariam digitais pode ter encontrado seus limites. Coincidentemente, a esperança nascida dos testes bem-sucedidos de vacinas neste segundo semestre deu origem a um desempenho superior das ações vinculadas à economia real em comparação com as do mundo digital.

A luta contra o aquecimento global é, sem dúvida, a área em que o retorno ao passado já não é uma opção. A sustentabilidade de nossos modelos de crescimento é a questão central para superar a crise; os governos decidiram agir e estão se afastando da austeridade fiscal. De fato, a transição energética é uma das únicas áreas em que as gerações atuais e futuras podem se endividar.

Surge algo de novo nesta frente: a convergência das prioridades ambientais dos Estados Unidos, Europa e China. De fato, a América de Joe Biden pretende retornar ao Acordo de Paris e fazer investimentos significativos para transformar o modelo energético dos EUA. Por sua vez, a China, agora o maior emissor de CO2 do mundo, estabeleceu uma ambição de neutralidade de carbono até 2060.

Também não há retorno ao passado para a Europa. A história da construção europeia mostra que o continente progrediu sobretudo durante as fases de crise política ou econômica, tanto por necessidade quanto por uma nítida consciência da urgência. A crise da década anterior havia resolvido o debate monetário para garantir a sustentabilidade da zona do euro. Esta pandemia não foi exceção à regra e foi também o catalisador para um progresso inédito na solidariedade orçamental europeia.

O forte consenso em torno da ideia de uma resposta fiscal forte e prolongada também contrasta com o consenso ideológico em torno da austeridade fiscal que prevaleceu durante a crise das dívidas soberanas da zona do euro. Este novo consenso, menos frugal, reflete uma resposta pragmática às emergências sanitárias, econômicas e sociais que, em um contexto de taxas de juros baixas, possibilita o financiamento. Fundamentalmente, é a estabilidade de nossos governos e a sobrevivência de nossas democracias que está em jogo, diante das crescentes desigualdades e tensões sociais que já fortes antes da pandemia, e que esta apenas agravou. Aqui também o futuro dirá se adotamos uma visão excessivamente ingênua da sustentabilidade de nossas crescentes pilhas de dívidas, o que levanta a questão do valor de nossas moedas. Talvez isso se reflita no aumento recorde dos valores do ouro e bitcoin este ano...

 

Important information

Monthly House View de 18.12.2020 da Indosuez, excerto do Editorial

23 dezembro 2020

Para ler também

Vincent Manuel | Indosuez | Podcast

Podcast by Vincent Manuel, Indosuez CIO

planta | flor | folhas | amarelo | laranja

A Hora da Verdade?

V. I . S.A.: Um novo regime de mercado?